HomeSustentabilidadeForma de GestãoGestão da Biodiversidade
Sustentabilidade

Gestão da Biodiversidade

A biodiversidade é condição primordial para o desenvolvimento sustentável, pois afeta a qualidade da vida humana e constitui componente essencial da sustentabilidade em toda a atividade do homem, incluindo a atividade econômica.

A sobrevivência da espécie humana dependerá da preservação da biodiversidade do planeta, traduzida nas diferentes formas de vida e organização: ecossistemas, espécies e material genético. Ecossistemas, espécies e genes estão sofrendo baixas ou sendo ameaçados em proporção jamais vista anteriormente, o que reduz a riqueza natural e ameaça a sustentabilidade do planeta.

A ArcelorMittal Brasil possui empreendimentos em áreas que compreendem dois dos mais importantes biomas brasileiros e detentores das maiores biodiversidades nacionais: o Cerrado e a Mata Atlântica. As questões referentes à biodiversidade podem afetar a localização de nossas instalações ou acarretar alterações em nossos processos de modo a garantir que a produção não cause impactos adversos à biodiversidade.

Sob esse enfoque, a ArcelorMittal Brasil compartilha com a sociedade, em suas áreas de atuação, a mesma responsabilidade pela manutenção e melhoria da atual situação de biodiversidade encontrada.

O efetivo gerenciamento desse tema pode gerar múltiplas oportunidades, tais como:

  • Garantia da licença de operação;
  • Fortalecimento da cadeia de suprimentos;
  • Melhor relacionamento com todos os stakeholders;
  • Imagem mais positiva junto aos consumidores éticos;
  • Garantia de crescimento sustentável;
  • Atração de investidores ambiental e socialmente responsáveis;
  • Melhoria na produtividade dos empregados.

Para contribuir com a proteção ambiental das regiões onde atua e preservar os ecossistemas, a ArcelorMittal Brasil trabalha em parceria com grupos de conservação locais. As principais áreas protegidas pela Empresa estão distribuídas em quatro Estados brasileiros, abrangendo os biomas Cerrado e Mata Atlântica:

Áreas protegidas - ArcelorMittal Brasil
Localização Área (km2) Comentário
Vale do Rio Doce - MG (Dionísio, São José do Goiabal, Marlênia e São Pedro dos Ferros) 84,92 Bioma Mata Atlântica, com 27% de sua área composta por vegetação nativa, onde situa-se o terceiro maior complexo lacustre da América Latina. A área é vizinha ao Parque Estadual do Rio Doce - PERD.
Sul da Bahia (Prado, Caravelas e Alcobaça) 46,84 Bioma Mata Atlântica, 46% mata nativa. A área pertence a ArcelorMittal mas está atualmente arrendada para outro produtor.
Juiz de Fora - MG 18,30 Áreas em que está instalada a ArcelorMittal Juiz de Fora: 19,73 km2 de área total, sendo 0,16 km2 de área construída. Das áreas protegidas adjacentes, 6 km2 são compostos de áreas de reflorestamento e 12,3 km2 são compostos com vegetação e florestas nativas.
Norte de Minas Gerais (Carbonita, Senador Modestino Gonçalves e Diamantina) 10,42 Bioma Cerrado, 33% vegetação nativa e 6,7 km2 de Reserva Particular do Patrimônio Natural
Bela Vista de Minas - MG 10,36 7,31 km2 de Reserva Legal
3,05 km2 de APP
Centro-Oeste de Minas Gerais (Abaeté, Bom Despacho, Dores do Indaiá, Martinho Campos e Quartel Geral) 7,61 Bioma Cerrado composto por 20% de vegetação nativa
Médio curso do rio Piracicaba (Nova Era e Antônio Dias - MG) 7,16 Bioma Mata Atlântica, abriga o Centro de Educação Ambiental e Apoio ao Visitante (CEAP), com a realização de palestras e visitas guiadas.
João Monlevade - MG 5,19 RPPN Monlevade - Bioma Mata Atlântica às margens do Rio Piracicaba. Abriga o Centro de Educação Ambiental (CEAM) da unidade, com rotina de visitaçào
São Francisco do Sul - SC 2,20 0,76 km2 de RPPN, 0,75 km2 de área não contígua de Mata Atlântica sendo parte Restinga
Serra - ES 1,64 1,29 km2 são APP (floresta, restinga, vegetação, manguezal, lagoas e córrego) e 0,35 km2 de preservação voluntária.
Cariacica - ES 1,13 0,60 km2 de área verde protegida
Itabira - MG 0,95 0,68 km2 da Reserva Legal
0,27 km2 de APP
Sabará - MG 0,22 0,77 km2 de área verde

Na ArcelorMittal Brasil, são conduzidos estudos para identificar espécies ameaçadas da flora e da fauna. Como exemplo dessa atuação, a ArcelorMittal BioFlorestas e a Unidade de Tubarão mapearam 127 espécies relacionadas na Lista Vermelha da IUCN (International Union for Conservation of Nature). Já a Usina Hidrelétrica Guilman-Amorim possui 21 espécies em áreas da Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) e cobertura vegetal de aproximadamente 18 km2, contígua à Reserva Legal e às Áreas de Preservação Permanente do Rio Piracicaba e do reservatório da barragem, conforme tabela abaixo:

Área protegida ou de alto índice de biodiversidade - ArcelorMittal Brasil Número de espécies
Criticamente ameaçado Ameaçado Vulnerável Quase ameaçado Mínimo de preocupação
RPPN Guilman-Amorim, Reserva Legal e área de APP. Avifauna: Pararu-espelho (Claravis godefrida) Mastofauna: Guariba/ Bugiu-ruivo (Alouatta guariba clamitans); Jaguatirica (Leopardus pardalis), Lobo-guará (Chrysocyon brachyurus); Sagui-da-cara-branca (Callithrix geoffroyi) Avifauna: Cuitelão (Jacamaralcyon tridactyla)
Mastofauna: Onça-parda/Suçuarana (Puma concolor)
Flora: Jacarandá-caviúna (Dalbergia nigra)
Avifauna: Maracanã-do-buriti (Primolius maracana) Avifauna: Chupa-dente (Conopophaga lineata); Maracanã-do-buriti (Primolius maracana); Rabo-branco-rubro (Phaethornis ruber); Rendeira (Manacus manacus); Surucuá (Trogon surrucura); Tangará (Chiroxiphia caudata); Tagarazinho (Ilicura militaris); Tico-tico-rei-cinza (Coryphospingus pileatus); Tietinga (Cissopis leverianus); Trinca-ferro-verdadeiro (Saltator similis); Urubu-rei (Sarcoramphus papa)
Bioflorestas Mastofauna: Guariba (Alouatta guariba) Nenhuma espécie Mastofauna: Tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla); Tatu-canastra (Priodontes maximus); Lobo-guará (Chrysocyon brachyurus); Anta (Tapirus terrestris); Sauá (Callicebus personatus); Onça-pintada (Panthera onca); Onça-parda (Puma concolor) Mastofauna: Macaco-prego (Sapajus nigritus) Mastofauna: Gambá (Didelphis albiventris); Tamanduá-de-colete (Tamandua tetradactyla); Tatu-do-rabo-mole (Cabassous unicinctus); Tatu-galinha(Dasypus novemcinctus); Veado-mateiro (Mazama americana); Veado-catingueiro (Mazama gouazoubira); Cateto (Pecari tajacu); Bugio (Alouatta caraya); Mico-estrela (Callithrix penicillata); Sauá (Callicebus nigrifrons); Raposa (Cerdocyon thous); Jaguatirica (Leopardus pardalis); Jaratataca (Conepatus semistriatus); Irara (Eira barbara); Quati (Nasua nasua); Mão-pelada (Procyon cancrivorus); Tapeti (Sylvilagus brasiliensis); Capivara (Hydrochoerus hydrochaeris); Paca (Cuniculus paca); Tatuí (Dasypus septemcinctus); Cutia (Dasyprocta azarae); Gambá (Didelphis aurita)
Área do cinturão verde da ArcelorMittal Tubarão. Mastofauna: Saguí-da-cara-branca (Callithrix geoffroyi); Ouriço-preto (Chaetomys subspinosu)
Avifauna: Maracanã-do-buriti (Primolius maracana)
Flora: Braúna (Melanoxylon brauna)
Nenhuma espécie Avifauna: Sabiá-da-mata (Turdus fumigatus)
Flora: (Anthurium jilekii); Palmito-juçara (Euterpe edulis); Marantaceae (Ischnosiphon gracilis); (Stromanthe schottiana); (Piper juliflorum); Pimenteira (Jacquinia armillaris)
Matofauna: Cuíca (Marmosops incanus) Avifauna: Sabiá-da-praia (Mimus gilvus)
Flora: Ipê amarelo (Handroanthus riodocensis); Jacarandá cipó (Machaerium fulvovenosum), (Solanum sooretamum)

Para conhecer as principais iniciativas de Biodiversidade em 2016, acesse o nosso Relatório de Sustentabilidade.

Convenção sobre Diversidade Biológica – os desafios da ArcelorMittal

A ArcelorMittal Brasil entende claramente que o sucesso econômico está diretamente ligado ao desempenho ambiental e social, praticando assim a responsabilidade socioambiental corporativa. Para direcionar suas ações no tocante à biodiversidade, a Empresa utiliza as diretrizes da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB), um dos acordos mais importantes assinados na Eco 92, no Rio de Janeiro, e adotado por mais de 180 países.

Os objetivos dessa Convenção, a serem atingidos de acordo com suas provisões relevantes, são a conservação da diversidade biológica, o uso sustentável de seus componentes e a distribuição justa e equitativa dos benefícios advindos da utilização dos recursos genéticos.

Esses três objetivos fornecem uma plataforma de estratégias globais para ações corporativas: a “conservação da diversidade biológica” compreende a sustentabilidade ambiental; o “uso sustentável de seus componentes” refere-se à sustentabilidade econômica; e “a distribuição justa e equitativa dos benefícios advindos da utilização dos recursos genéticos” abrange a sustentabilidade social.

A Gestão da Biodiversidade nas empresas do Grupo ArcelorMittal no país é feita com base nos seguintes pilares:

  1. Atendimento aos requisitos legais especificados em programas e projetos assinados com instituições públicas.
  2. Parcerias voluntárias desenvolvidas com entidades e organizações de proteção ambiental, com foco na conservação e manutenção da biodiversidade.
  3. Atendimento às normas e requisitos dos Sistemas de Certificação Ambiental ISO 14001:2015 e Conselho de Manejo Florestal - Forest Stewardship Council (FSC)

As ações desenvolvidas e os desafios podem ser agrupados segundo três objetivos da Convenção sobre Diversidade Biológica

a. Conservação da biodiversidade (ecossistemas, espécies e habitat natural)

  • Gestão das Unidades de Conservação (Unidade de Proteção de Uso Sustentável) e preservação das áreas por imposição legal (Áreas de Preservação Permanente e de Reservas Legais): compreendem a identificação da área como de relevante interesse ambiental, vigilância, prevenção e combate a incêndios florestais.

Desafios:

  1. Ampliar e manter as áreas de preservação (Mata Atlântica e Cerrado).
  2. Implantar e integrar suas Unidades de Conservação aos corredores ecológicos.
  3. Expandir as unidades produtivas sem comprometer áreas de importância ambiental.
  4. Desenvolver atividade de produção sem comprometer a biodiversidade.

b. Uso dos recursos biológicos (uso e proteção/minimização dos impactos sobre a biodiversidade)

  • Realização de levantamentos, diagnósticos e monitoramentos que resultem na determinação de planos e programas de manejo de fauna e flora, visando minimizar o impacto das atividades produtivas sobre a biodiversidade, principalmente pela ArcelorMittal BioFlorestas, Usina Hidrelétrica Guilman-Amorim, ArcelorMittal Tubarão e ArcelorMittal Vega.

Desafios:

  1. Ampliar, de forma representativa, os programas de monitoramento e de manejo ecossistêmico com uma base metodológica e uma base de dados segura que permitam comparação entre as unidades amostradas.
  2. Alcançar os objetivos estabelecidos nos programas e manejos realizados.
  3. Assegurar domínio tecnológico, adquirido por meio dos conhecimentos gerados pelos programas, criando procedimentos operacionais aplicáveis.

c. Divisão equitativa dos benefícios da biodiversidade

  • Os programas de Educação Ambiental desenvolvidos pela ArcelorMittal Brasil fornecem subsídios para formar e educar cidadãos brasileiros, auxiliando-os na sua capacitação profissional e na sensibilização para reivindicações e deveres com a biodiversidade.
  • As áreas naturais da ArcelorMittal Brasil têm sido utilizadas para gerar emprego e renda nas comunidades carentes do entorno por meio de programas de apicultura utilizando as áreas de reflorestamento, e piscicultura em áreas com ocorrência de lagoas naturais.

Desafios:

  1. Implantar diretrizes em consonância com os eixos temáticos 5 e 6 da Política Nacional de Biodiversidade.

Monitoramento de fauna - Mina do Andrade

Relatório 2017

Relatório 2016

Relatório 2015